0.01 - Carro da equipe "Colégio Arte e Instrução"


Atualizado em 18/12/2015

Foi o primeiro Lorena GT feito no Brasil. Fabricado em 1968 na empresa Estructofibra, Rio de Janeiro, foi utilizado pela equipe Colégio Arte e Instrução em provas entre 1968 e 1971. Já com o nome de "Lorena GT", serviu também para a divulgação da marca. Após a fabricação desta carroceria, as matrizes foram transferidas para São Paulo.

Sua primeira prova foi em 24 de março de 1968, pilotado por Sergio Cardoso. Durante os anos de 1969 e 1970 foi pilotado principalmente por Sidney Cardoso, mas também por outros pilotos, sempre pela equipe Colégio Arte e Instrução. O carro participou oficialmente de 13 provas, e sua ultima prova foi em 25 de janeiro de 1971.

- Na primeira prova o carro apresentou-se com a pintura branca e com o número 13.

- Na sua segunda prova, em junho de 1969, o carro ainda apresentava a cor branca, porém com uma nova faixa decorativa e modificações na carroceria, como tomada de ar para o radiador dianteiro, e com o numero 20.

- Correu suas três provas seguinte com a cor azul ainda com o numero 20.

- Com a aquisição pela equipe de um Ford GT-40, na cor vermelha, a cor do Lorena GT passou a ser também o vermelho, e com esta correu até o final de sua carreira. Manteve o numero 22, e apenas nas provas em Interlagos onde havia outro carro com este numero, foi encoberto uns dos números 2, correndo portanto com o numero 2. O carro correu um total de 13 provas, as 10 primeiras com os faróis retangulares, e as ultimas três com dois pares de faróis redondos.

A carroceria do carro ainda existe, lamentavelmente o chassis, motor e restante da parte mecânica perderam-se.

O carro deverá passar por um processo de reconstrução.

Veja história completa no site "Obvio!"

Comentário de Sidney Cardoso - Orkut- A Estructofibra ficava numa rua transversal à Avenida Brasil. A Avenida Brasil é aquela Avenida central de onde vem os autos de São Paulo, Minas, etc. Ela é enorme. Quanto ao bairro não me lembro bem, pois ela atravessa muitos e muitos bairros. Creio que mais ou menos perto do bairro de São Cristóvão. Um pouco antes de se pegar a Ilha do Governador. Lembro-me bem que as duas boas referências da época era que ela ficava perto do Bob's da Avenida Brasil. E que nessa mesma rua transversal em que ela ficava tinha também a sede da fábrica de piscinas Acqua Azul. Essa fábrica de piscinas na época era quase ou totalmente a única que fabricava piscinas aqui no Rio. Foi a pioneira e, creio que única durante muito tempo. Quase todas as piscinas olímpicas de clubes eram feitas por ela. A lá de casa também foi feita por ela. Nessa época as piscinas tinham um filtro enorme de dois metros de altura e com cerca de uns 15 registros. A Estructofibra fabricava apenas lanchas.

A montagem do carro foi feita por meu irmão e o mecânico do Aylton Varanda, na época, Carlos Alberto, de Petrópolis, mais conhecido por "Passarinho", que hoje trabalha como mecânico com a equipe de Stok Car de Mauro Vogel. Os principais montadores foram esses dois, agora havia uma turma grande que ia encomendar as peças e ajudar na montagem, ou seja, os outros mecânicos e amigos da equipe.

Fiquei com o carro por algum tempo. Em 1972 fui fazer uma operação em uma das pernas e deu tudo errado. Fiquei muito tempo no hospital tentando salvar a perna. Entre 1972 e 1978 fui submetido a umas 10 operações, e em alguns períodos eu vinha e ficava em casa.

Tinha um rapaz de nome Joaquim que era motorista da Kombi do colégio e era quem também puxava a carreta com os carros de corridas na Kombi. Numa dessas vezes que fui em casa ele me falou: "Ney você não vai correr mais. O Lorena vai acabar se estragando aí na garagem, além de ficar tomando lugar dos outros carros de vocês. Posso vender?"

Achei correto, conversei com meu pai que também concordou.

Ele então vendeu para uma oficina em São João de Meriti ou Nilópolis, não me lembro bem. Todos esses dois bairros são distantes, ficam na baixada fluminense no Rio de Janeiro.

Anos depois, em 1979, o Gilsom Timponi, encontrou comigo no autódromo do Rio, e me disse que havia encontrado nosso Lorena numa oficina e comprado.

Mais tarde, creio que em 2003 ou 2004 , apareceu aqui em casa o Caíque perguntando-me sobre o Lorena. Disse a ele que a última noticia que sabia era que ele estava com o Timponi. Ele perguntou-me se eu tinha o telefone dele. Procurei e dei a ele. Mais tarde, uns 6 meses depois, o Caíque me falou que subiu num muro e conseguiu ver Lorena. Pela descrição que ele me fez creio que ele não apenas viu como fotografou. Lembro-me que ele me pediu para falar com o Timponi para ver se ele vendia o carro. Falei e o Timponi não aceitou. Depois falei com o filho do Timponi, o pai havia falecido, e o rapaz foi irredutível. O Trevisan também me pediu para falar com o rapaz, dizendo que o carro iria para o Museu do Automobilismo, não adiantou.

 

Comentário de Gilson Timponi - Orkut

Este carro, foi adquirido nos anos 80. A partir desse ano de 2006, nós iremos reformá-lo e estará exposto em feiras, encontros de carros etc. Trata-se de um carro várias vezes campeão, na verdade aos amantes de automobilismo, nunca mais ouviram falar do carro achando que o carro já havia se acabado, mas o carro sempre esteve conosco e só agora resolvemos restaurá-lo, em breve colocaremos esse carro na rua, aguardem. (Julho/2008)

(Gilson faleceu em junho/2009, e o carro permanece com seu filho Renzo Timponi Marques)

Foto do carro em 2005 - Foto VF

 

Fotos do carro em 1982 - Foto Renzo Timponi


Participação em provas

O carro participou de 13 provas, o mesmo número com que o carro participou de sua primeira prova....

Mais imagens do carro nas páginas das provas

       Data:

24/mar/1968

15/jun/1969

27/jul/1969

31/ago/1969

21/set/1969

25/nov/1969

13/dez/1969

27/dez/1969

01/fev/1970

19/abr/1970

10/jan/1971

10/jan/1971

25/jan/1971

  Provas de que participou:

Primeira Etapa do Campeonato Carioca de Automobilismo

Primeira Etapa do Campeonato Carioca de Automobilismo

Segunda Etapa do Campeonato Carioca de Automobilismo

Prova Duque de Caxias - RJ

Terceira Etapa do Campeonato Carioca de Automobilismo

Quarta Etapa do Campeonato Carioca de Automobilismo

III 1000 Quilômetros da Guanabara

Quinta Etapa do Campeonato Carioca de Automobilismo

Preliminar do Primeiro Torneio Internacional BUA  F-Ford

1000 Km de Brasília - Campeonato Brasileiro

Grande Premio Cidade de São Paulo, Interlagos - 1a bateria

Grande Premio Cidade de São Paulo, Interlagos - 2a bateria

Grande Premio Cidade de São Paulo, Interlagos

Cor

 branca   

 branca  

 azul       

 azul       

 azul

 vermelha

 vermelha

 vermelha

 vermelha

 vermelha

 vermelha

 vermelha

 vermelha

Num

13

20

20

20

20

22

22

22

22

22

  2

  2

  2

 Piloto

 Sérgio

 Sidney

 Sidney

 Sidney

 Sidney

 Scorzelli

 Giu/Heitor

 Sidney

 Sidney

 Sidney/Heitor

 Heitor       

 Heitor       

 Heitor

Chegada

 aquecimento

 trambulador

  2° lugar

  2° lugar

 não largou

  3° lugar

  1° lugar

  5° lugar

  1° lugar

 desconhecido

 12° lugar

   9° lugar

   6° lugar

Filmes onde aparece o "Lorena Porsche 2000" (Youtube)

 

  15/junho/1969

  I Etapa do Campeonato Carioca de Automobilismo

       

  27/julho/1969

  II Etapa do Campeonato Carioca de Automobilismo

 

  31/agosto/1969

  Prova Duque de Caxias

 

 

  25/novembro/1969

  Quarta Etapa do Campeonato Carioca de Automobilismo


Jornal "O Globo", 03/Julho/1970


Foto - 4 Rodas N° 61 - Dezembro/1968 - página 258 à 262

Reportagem: "O Salão da Alta Rotação"  Clique para a reportagem completa

              

 

Comentário de Sidney Cardoso sobre a reportagem acima

"Amigos, esta foto saiu em uma revista Quatro Rodas ou Auto Esporte, não me lembro mais qual. Lembro-me que foi Interessante os bastidores dela. Foi o seguinte:

Fomos convidados por uma desta duas revistas (4 Rodas) para levarmos o carro no Itanhangá Golf Clube, na Barra da Tijuca, RJ, para eles fazerem a reportagem. Na hora marcada estávamos lá no portão, com o carro sobre a carreta e a turma da produção da revista idem, com fotógrafo e repórteres, no carro de reportagem. Antes, eles haviam contactado o diretor do clube e estava tudo certo, com autorização por escrito para tirar as fotos.

Aí, o fotógrafo achou que este pequeno morrinho - reparem que a parte de trás está num plano mais alto -com este riacho ao fundo, ficaria bonita a foto. Descemos o carro da carreta, empurramo-lo até aí e, quando o fotógrafo ia tirar a foto deu o maior bololô...  Não é que aparece  um diretor do clube dizendo que éramos irresponsáveis de colocar o carro aí. Esbravejou dizendo que esta grama era importada da Suíça, que nós não tínhamos a mínima idéia do mal que estávamos causando ao clube, etc. Ele se acalmou um pouco quando falamos: - Olha, o mal que teria que causar, já foi feito, portanto, deixa a gente tirar as fotos com ele aí parado, depois vamos embora. Depois de muito reclamar, o cara acabou concordando.

É mole, não sabíamos desta frescura de grama importada e o escambau." (Sidney Cardoso)


    Karmann-Guia de onde veio a mecânica do Lorena Porsche                 Foto: acervo Sidney Cardoso

    Veja história completa no site "Obvio!"

    O Lorena-Porsche em fabricação na "Estructofibra", Rio de Janeiro. De camisa escura, Sérgio Cardoso

                                                                                                                                                                Fotos: acervo Sidney Cardoso


Lorena Porsche sendo preparado, antes de sua primeira corrida (mar/1968)

Fotos do acervo de Antônio da Memória - contribuição de Teresa, e Marco Antônio da Memória

  Lorena ainda sem a faixa e número no capo. Abaixado Joaquim.

Painel do Lorena Porsche.

- A porta toda furada para aliviar peso (não é cupim não....)

- Direção a clássica "Fórmula 1", "bolota" da alavanca de marchas vermelha, instrumentos

  de painel de Porsche, oriundos do Karmann-Guia doador da mecânica.

  À direita menor, marcador de pressão de óleo.

- À esquerda dos pedais, no para-lamas, botão para o esguichador de água do para-brisas.

- A caixa embaixo do painel, à direita, é o tanque de combustível, que posteriormente foi

  trocado de lugar. (informações de Sidney Cardoso).


Lorena Porsche sendo preparado, antes de sua segunda corrida (jul/1969)

  

  Sidney Cardoso sentado no carro


Jornal "O Globo", 15/03/1968, página 4

"Correio da Manhã" - RJ - 02/Abril/1968


Jornal "O Globo" - 26/jan/1971, Caderno do Automóvel, página 8

De cima para baixo, da esquerda para direita:
Lola-Chevrolet T 70 MK III,  Casari A-II,  Lorena Porsche,  Ford GT 40, 

Bino, Mark I  e  Protótipo Amato-Ford

    

  Correções ao texto: onde diz motor Porsche 198cc seria 2000cc; 169 HP seria 200; 7000 rpm seria 6800 rpm.


Carro na cor branca

 

Carro na cor azul "Matra"

 

Carro na cor vermelha

 


Capacetes

 

Capacete utilizado por Sérgio Cardoso                            Capacete utilizado por Sidney Cardoso


Arte com o Lorena "GT"

   

Maurício Morais

 

  Arte de Maurício Morais - http://www.mauriciomorais.blogspot.com


Ararê Novaes

Na pista.....

  

    

No Box.....

Imagens das quatro fases do carro:

   

1ª prova - cor branca, com o número 13                         2ª prova - cor branca, com o número 20

           

    

3ª, 4ª e 5ª provas - cor azu,l com o número 20              da 6ª até a 13ª prova - cor vermelha , número 20

                                                                                                                               correu três provas do troféu BUA com o número 2

    

Caricaturas feitas por Ararê Novaes - http://www.ararenovaes.blogspot.com


* * *